01 julho 2016

Sou uma árvore

Essa noite vou sonhar que tenho asas e vou voar e alcançar o ponto mais alto do céu que eu puder. De lá talvez eu irei me deixar cair. Minha queda não será como a queda das folhas quando elas se soltam dos galhos; lentas e com balanço. Será pesada e sem ritmo, como se fosse a própria árvore indo de encontro ao chão. Não é bonito ver uma árvore caindo mas é admirável ver a dança que as folhas fazem até se deitarem, não? É que quando as partes de alguém se soltam é porque vão abrir espaço para que partes mais belas surjam no lugar e quando tudo se desmonta e cai, quando as raízes desgrudam do chão é impossível voltar a ficar em pé com vida.

27 junho 2016

Ah coração

Ah, coração, porque me faz chorar tanto? Meus olhos estão cansados, pare com isso, já deu. Sorria, respira, não pira. Lembra das coisas boas, das tardes amarelas dos dias com sol. Lembra do som, do cheiro, do sabor. Você tem olhos lindos que são assim graças a beleza do mundo então se lembre dessa beleza. Não, aí coração, não me faz chorar mais. Eu sei, eu sei que também dói pensar em coisas boas porque quando a alma se entristece essas lembranças carregam a saudade e a saudade carrega mais dor. Mas coração, ei, tente me escutar. Tudo fica bem, viu? Eu sei do que você precisa, mas aguenta mais um pouquinho.

18 maio 2016

Estrelas são pessoas que moram no infinito do céu


Acontece que algumas coisas são verdadeiras, acreditando nelas ou não, e o que eu vou dizer agora é uma verdade que ninguém no mundo pode duvidar. Um dia desses eu olhei pro céu e vi várias estrelas. Elas eram tantas que nem precisava da luz dos postes para iluminar as ruas. Fiquei por horas admirando elas, até que o sol mudou o tom de azul do céu e elas sumiram. As estrelas se escondem as vezes daqueles que não são merecedores de vê-las, e eu não era, por isso não as vi. Percebi que quando alguém sai de sua casa na terra é porque foi encontrar seu cantinho na constelação. Estrelas são pessoas que iluminam o céu daqueles que deixaram pra trás, que dizem

15 abril 2016

Ela é

Ela gosta de um céu para contar estrelas, gosta das nuvens que tem sabor de algodão doce. Se encanta com o por do sol e ri de tudo aquilo que for engraçado, ou não. Ela ama a natureza, ama tudo aquilo que for puro e é pura como água. É líquida, vive numa constante fluidez e é sempre instável. Ela é daquelas que canta no chuveiro, que dança sozinha, que acha o mundo grande demais mas que quer conhecer cada pedacinho dele. Aprecia as coisas simples, e gosta muito mesmo de coisas complicadas. Essa garota conhece a dor, a angústia, a tristeza. Conhece a sensação de se estar sozinha, sabe como é guardar rancor. Ela conhece também o amor, a bondade, a amizade. Viu coisas

03 abril 2016

A Rainha

A rainha que vejo não é elegante. Ela anda meio torta e usa roupas desagradáveis. Ela não é adorável, simplesmente não tem carisma pra isso. Poderia ser educada se não fossem as milhares de vezes que perde o controle e exagera. Ela não é inteligente, demora pra entender as coisas e mal sabe digitar no celular. Seria respeitada se não houvesse tantas palavras de reclamação em seu vocabulário e seria amável se lançasse amor ao invés de facadas. Essa rainha mora num palácio que ela faz questão que brilhe, exige que os outros sejam organizados mas suas roupas saltam para fora do guarda roupa e seu lençol quase nunca está esticado. Ela não é capaz de compreender alguém que não

28 julho 2015

São minhas engrenagens


Me perguntaram quem sou de verdade, o que há dentro de mim. Sente o cheiro de queimado? São minhas engrenagens, se abrirem minha cabeça tudo estara queimando e prestes a explodir. Estou ardendo lentamente e padecendo a minha própria confusão. Eu crio caos, travo batalhas épicas com meus pensamentos e não sei como o mundo não consegue escutar isso. Tudo é tão silencioso por fora, enquanto por dentro as caixas de som estão no volume máximo. É difícil ter ideias, difícil encontrar um meio de conter tudo antes que para fora. É tudo tão difícil e eu ainda sou capaz de de dificultar mais ainda. É como se eu rasga-se com minha unhas as feridas quase cicatrizadas em minha pele, como se eu fosse atrás da dor novamente.

24 julho 2015

Palavras na madrugada


As melhores ideias vêm a meu encontro na madrugada. Ricas amantes de pernas finas e curvas diferentes , que me atiçam e fazem com que eu traía meu tão valioso sono. São irresistíveis, é claro, e sei que caso eu resista não poderei encontra-las de novo pela manhã. Devo me render as suas vontades, ou esperar que se partam e ser fiel a meu descanso? Eis a questão, mais um número no meu exercício diário de dúvidas. Quem há de corrigir, e verificar, se minhas respostas estão corretas? Se eu, um pobre coitado, não estou adentrando o caminho errado pela centésima vez? Ah de no julgamento as cartas serem postas na mesa, e será que meu sono excessivo ao decorrer do dia juntamente com a obsessão de continuar escrevendo, justificam todos os meus outros atos? Teria sido diferente se eu me pusesse a dormir, eu teria não errado tanto. Acho que posso tentar mudar agora, mas amanhã eu começo, quem sabe, no entanto por hora, mesmo tomado pela fadiga pretendo continuar escrevendo.